Go to Top

Amar é como andar de bicicleta

♪ Clique aqui para ouvir a Playlist Milene da Mata completa no Spotify enquanto lê os textos do blog ♥

Fotografia: @milenedamataphoto

Aprendi que amar é como andar de bicicleta. Não no sentido de que “a gente nunca mais esquece”, mas no sentido que a gente precisa praticar e se dedicar pra ficar bom, sabe?

Eu tenho uma história pra contar sobre a primeira vez que eu andei de bicicleta – a primeira vez depois de muito tempo, já adulta, eu quero dizer. Antes disso, minha madrinha está viva e não me deixa mentir: quando eu era criança, eu ia pra casa dela e andava de bicicleta o final de semana inteiro! Descia e subia as rampas sem pausa – na minha modesta opinião, eu era ótima! Mas o tempo passou, eu cresci (metaforicamente falando) e deixei a minha “Caloi Ceci” de lado – ela tinha glitter, acho válido dizer.

Corta para uns 20 anos depois: um belo dia eu decidi andar de bicicleta com os meus amigos acreditando na máxima: “Uma vez que aprende, a gente nunca mais esquece”. É mentira. Repito: é mentira! Tudo que a gente não pratica, a gente esquece. A primeira vez que eu pedalei depois de tanto tempo foi um fiasco – meus amigos também estão vivos e não me deixam mentir: eu passei mal, minha pressão baixou, meu coração começou a acelerar, fiquei tonta, desequilibrei, caí e me machuquei (qualquer sintoma parecido com amor não é coincidência).

Voltei pra casa frustrada achando que “andar de bicicleta não era pra mim”! No dia seguinte eu resolvi tentar de volta, dentro do condomínio onde eu morava mesmo. Depois fui pra ciclovia até eu conseguir ir pra rua novamente! Não vou mentir: eu caí outras vezes e no fim dessa história eu não me tornei uma ciclista profissional. Aliás, continuo bem amadora (duplo sentido aqui), mas hoje eu estou muito melhor do que no meu primeiro dia – e com muito mais história pra contar também! Os arranhões já sararam, as boas lembranças ficaram.

A questão é que pra andar de bicicleta, assim como no amor (qualquer que seja o tipo de relacionamento), precisamos de dedicação e paciência. Às vezes a gente se machuca sim, mas a gente precisa tentar, porque se a gente desiste na primeira dificuldade, a gente perde todas as oportunidades de sentir o frio na barriga e o vento no rosto! ♥ (texto do projeto #midepoisdos30 do Instagram @milenedamata – para ler todos os textos clique aqui)

♥ VEM ACOMPANHAR TAMBÉM
(clique para seguir)
NO INSTAGRAM:
@milenedamata|@aterapiadealice
YOUTUBEFACEBOOKTWITTER

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *